Jornal Republicano – Órgão Regionalista das Beiras – Há 94 anos a informar
Fundador: 
Adriano Lucas (1883-1950)
Diretor "In Memoriam":  
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Tráfico de droga na cadeia feito através de peças de vestuário


Segunda, 29 de Abril de 2024

Uma investigação conduzida pela Polícia Judiciária culminou na desarticulação de uma rede de tráfico de droga no estabelecimento prisional de Coimbra que vai agora ser julgada no tribunal em Coimbra.
Segundo o despacho de acusação do Ministério Público, a que tivemos acesso, um recluso, de 37 anos da zona de Viseu, terá pedido à sua companheira, de 34 anos e também daquela zona, a aquisição de cocaína para este vender no interior da cadeia. De acordo com o seu plano, a arguida deveria enviar as substâncias para o estabelecimento prisional de Coimbra por meio de encomendas postais.
Para evitarem serem apanhados, a namorada do arguido solicitou a ajuda de uma amiga, uma mulher de 65 anos,para enviar as encomendas em seu nome e endereçá--las a outro recluso, de 36 anos.
Segundo o Ministério Público, todos concordaram em participar no plano e em troca de uma contrapartida financeira, ou no caso do recluso, de produto estupefaciente. Durante o período de 27 de abril a 30 de agosto de 2021, a arguida, com a ajuda da amiga, enviou pelo menos quatro encomendas postais contendo substâncias ilícitas dissimuladas em peças de roupa. A cocaína foi depois vendida a noutros reclusos do estacionamento prisional em troca de dinheiro.
O casal que ajudara, os “cabeça” da operação receberam então uma compensação em troca da sua colaboração, cujo montante específico não foi apurado pelos investigadores.
No entanto, no dia 27 de agosto, ao tentarem enviar mais uma encomenda, esta foi intercetada pelas autoridades. Durante uma verificação realizada na presença do recluso, foram encontradas substâncias ilícitas escondidas no forro de um colete e espalhadas pelas costas do mesmo.
A mulher de 65 anos chegou a requerer a abertura de instrução, alegando que não sabia o que continham as referidas encomendas mas o Tribunal de Instrução Criminal não deu credibilidade à sua versão. Os quatro vão assim ser julgados em breve, no Tribunal de Coimbra, pela prática de um crime agravado de tráfico de estupefacientes.|

Suplementos Temáticos