Jornal Republicano – Órgão Regionalista das Beiras – Há 93 anos a informar
Fundador: 
Adriano Lucas (1883-1950)
Diretor "In Memoriam":  
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Metro Mondego com taxa de execução de 37,9% dos investimentos para 2023


Terça, 02 de Abril de 2024

A Metro Mondego, responsável pela futura operação do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), apenas executou 37,9% dos investimentos projetados para 2023, de acordo com o Relatório e Contas.
Se em 2021 e 2022 a taxa de execução ficou ligeiramente abaixo dos 50% dos investimentos projetados, em 2023, a Metro Mondego executou pouco mais de um terço do que estava previsto, mas o valor do investimento executado foi praticamente o dobro do ano anterior (mais de seis milhões de euros de um total 16,8 milhões projetados), concluiu o Relatório e Contas de 2023, aprovado em 28 de março e que a agência Lusa consultou.
A Metro Mondego é responsável pela futura operação do SMM, que irá funcionar na cidade de Coimbra e servir ainda os concelhos de Lousã e Miranda do Corvo com autocarros elétricos em via dedicada.
O baixo valor da taxa de execução tem praticamente a mesma justificação que a apresentada em 2022 pela Metro Mondego, apontando para os atrasos na publicação da resolução de Conselho de Ministros que autorizou os investimentos estruturais, adiando a consignação da empreitada de construção do Parque de Material e Oficinas (PMO) e a adjudicação do fornecimento de autocarros elétricos, entre outros.
Para além disso, a Metro Mondego (MM) aponta também para dificuldades nas empreitadas de construção de infraestruturas base da responsabilidade da Infraestruturas de Portugal (IP) e na execução do PMO e da empreitada da Baixa de Coimbra.
Apesar de ser a responsável pela operação, a MM não tem a seu cargo as empreitadas de construção do traçado do ‘metrobus’, em que a dona da obra é a IP.
No Relatório e Contas, a MM aponta ainda para a demissão do Governo, considerando que essa situação “reduziu a capacidade de intervenção governativa neste período intermédio, durante o qual algumas decisões relevantes relativas à empresa e ao sistema deverão ser tomadas”.
Uma questão que à data da elaboração do Plano de Atividades e Orçamento (PAO) 2024/2026 da MM não estava resolvida era o contrato de obrigações de serviço público, que ainda não está contratualizado com o Estado e que irá definir a contribuição anual da administração central para a operação do SMM.
No PAO 2024/2026, também aprovado em 28 de março em assembleia geral da MM, continua a ser projetada a entrada em funcionamento da primeira fase do SMM para o final de 2024 (Serpins, na Lousã, até à Portagem, em Coimbra), e o restante sistema no fim de 2025.
No documento consultado pela Lusa, é admitido que o sistema poderá não atingir a “velocidade cruzeiro” em 2026.
Como metas estipuladas para este ano, a MM espera abrir o canal da Baixa de Coimbra, junto à Câmara Municipal, concluir o PMO até ao final do primeiro semestre e assegurar o fornecimento de todos os autocarros no segundo semestre.
Com o fim das obras no canal da Baixa, a Metro Mondego espera vender em 2024 e 2025 frações de edifícios junto àquela empreitada, prevendo um encaixe de cerca de quatro milhões de euros com essas vendas.
Ainda neste ano, com o arranque da primeira fase do SMM, a Metro Mondego espera contratar 50 motoristas, devendo aumentar o quadro com outros 38 em 2025, quando todo o sistema estiver a funcionar.
Para 2026, a MM estima um custo da operação de cerca de 12 milhões de euros e uma receita tarifária de sete milhões de euros, perspetivando uma compensação do Estado de 5,6 milhões de euros.

Tasca do Ronaldão



Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu