Jornal Republicano – Órgão Regionalista das Beiras – Há 93 anos a informar
Fundador: 
Adriano Lucas (1883-1950)
Diretor "In Memoriam":  
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Marcelo fez “proposta quase irrecusável” a rei Carlos III para visitar Portugal


Quinta, 15 de Junho de 2023

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou hoje que fez uma “proposta quase irrecusável” ao rei britânico Carlos III para visitar Portugal em breve.

“Eu fiz-lhe uma proposta que é quase irrecusável, que é não ser uma visita de Estado porque a visita de Estado o rei faz uma, duas por ano e são muito longas [e] ainda tradicionais”, disse Marcelo aos jornalistas na residência do embaixador de Portugal no Reino Unido, em Londres.

O chefe de Estado português sugeriu que a viagem do monarca britânico a Portugal "seja uma visita curta, concentrada naquilo que lhe interessa, que é ver o novo Portugal na energia, no digital, na natureza sustentável, estar com a comunidade britânica”.

Marcelo Rebelo de Sousa espera que a resposta seja positiva, apesar da agenda ocupada de Carlos III.

O chefe de Estado encerrou hoje uma visita de cerca de 24 horas a Londres para comemorar o 650.º aniversário da Aliança Luso-Britânica.

Esta manhã, o Presidente foi recebido no Palácio de Buckingham com honras militares e condecorou o rei Carlos III com o Grande-Colar da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

A distinção honorífica é a mais alta concedida por Portugal e tinha sido conferida por Mário Soares à Rainha Isabel II em 1993.

Só é atribuída em "casos excecionalíssimos a chefes de Estado de pátrias às quais nós devemos a nossa defesa, porque é uma condecoração atribuída a militares, raramente a civis, por atos heroicos ou por uma carreira de serviço militar e de defesa e de segurança de Portugal", explicou.

O Reino Unido esteve "na luta pela nossa independência no século XIV, depois no século XVIII, depois no século XIX, em momentos cruciais”, acrescentou.

"Da última vez, na resistência às tropas de Napoleão, a presença britânica foi fundamental”, enfatizou.

Os dois chefes de Estado assistiram juntos a um serviço religioso anglicano de Ação de Graças [Thanksgiving] na Capela da Rainha [Queen’s Chapel], que foi frequentada pela rainha Catarina de Bragança (1638-1705) durante o casamento com o rei inglês Carlos II.

O evento foi o culminar do programa de atividades da Portugal-UK 650, uma iniciativa não oficial sem fins lucrativos que organizou as celebrações dos 650 anos da Aliança Luso-Britânica, que teve o patrocínio dos dois chefes de Estado.

O Tratado de Paz, Amizade e Aliança assinado em 16 de junho de 1373 por Eduardo III de Inglaterra e o rei Fernando I de Portugal formaliza a aproximação dos dois países proporcionada pelo Tratado de Tagilde, celebrado entre o Rei Fernando I e os emissários do Duque de Lencastre, João de Gante, filho de Eduardo III.

A aliança foi renovada no Tratado de Windsor de 1386 e por vários outros tratados ao longo dos séculos.

Tasca do Ronaldão



Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu