Jornal Republicano – Órgão Regionalista das Beiras – Há 94 anos a informar
Fundador: 
Adriano Lucas (1883-1950)
Diretor "In Memoriam":  
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Seca: Câmara de Coimbra cria plano para reduzir em 10% o consumo de água de rega


Sexta, 02 de Junho de 2023

A Câmara de Coimbra vai avançar com um plano de contingência que tem como objetivo este ano reduzir em cerca de 10% o consumo de água de rega de espaços verdes face a 2022, afirmou hoje o município.

O Plano Municipal de Redução e Contingência será analisado e votado na reunião do executivo de segunda-feira, com o documento a apresentar como objetivo atingir um consumo total de água de rega abaixo dos 120 mil metros cúbicos, referiu a Câmara de Coimbra, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

“Tendo em conta que a recorrência dos períodos de seca severa e extrema em território nacional têm vindo a ser mais frequentes em virtude dos efeitos provocados pelas alterações climáticas”, a Divisão de Espaços Verdes e Jardins da Câmara de Coimbra elaborou um plano de ação para a diminuição e racionamento dos consumos de água de rega nos espaços públicos do município.

O plano tem como objetivo adaptar o município ao momento sensível que o território nacional atravessa, na incerteza e imprevisibilidade da duração e severidade do estado de seca, de modo a mitigar o impacto nos ‘stocks’ de água da rede pública necessários ao abastecimento das populações.

A redução em 10% do consumo de água de rega em 2023 acompanha a tendência já verificada em 2022, onde também houve um corte de consumo de cerca de 10% face a 2021, aclarou a autarquia.

A redução em 2022 “é ainda mais relevante” se se tiver em conta que aquele ano foi, “substancialmente, mais quente, em duração e em intensidade, que 2021 e, portanto, muito mais exigente ao nível da rega dos espaços verdes e árvores”, reforçou a Câmara de Coimbra.

De acordo com o município, o plano tem duas fases distintas “que dependem da evolução meteorológica nacional e das consequentes decisões nacionais ou autárquicas, com vista a garantir a proteção do uso do recurso água”.

“Na primeira fase, estão previstas medidas de redução, desde o início de maio até ao final de outubro ou até o início do período de chuvas. Neste período, vão ser implementadas todas as medidas no sentido de minimizar o consumo e garantir um uso equilibrado e eficiente”, salientou, recordando que a rega de árvores através de cisternas móveis só será feita com água captada no Mondego, tal como aconteceu no verão de 2022.

O município irá também privilegiar, do ponto de vista funcional e ornamental, a adoção de prados mediterrânicos (ao invés da relva), sendo também lançada uma campanha de sensibilização para a importância dos mesmos.

Numa segunda fase do plano, estão previstas medidas críticas, em que a rega é reduzida de modo apenas a garantir “os níveis tidos como mínimos para assegurar a manutenção e sobrevivência dos jardins históricos ou área de influência da proteção da UNESCO” e poderão suspender-se plantações de flores de época ou de novas árvores.

Expofacic 2024